Campo Grande (MS), Domingo, 03 de Março de 2024

SAÚDE

Estudo revela que os primeiros sinais de Alzheimer aparecem nos olhos

O estudo analisou tecidos doados da retina e do cérebro de pessoas com diferentes graus de declínio cognitivo; entenda os resultados

10/02/2024

15:00

CATRACALIVRE

MARIA GORETI

Primeiros sinais de Alzheimer aparecem nos olhos, segundo estudoCréditos: recep-bg/istock Primeiros sinais de Alzheimer aparecem nos olhos, segundo estudo

De acordo com especialistas, os olhos podem indicar a saúde cognitiva dos pacientes. Segundo a oftalmologista Dra. Christine Greer, “o olho é a janela para o cérebro. Você pode ver diretamente o sistema nervoso olhando para a parte de trás do olho, em direção ao nervo óptico e à retina”.

Os estudos mais recentes têm explorado a forma como as alterações encontradas nos olhos podem ajudar a diagnosticar a doença de Alzheimer antes do início dos sintomas.

Isso porque a doença está em um estágio avançado quando ocorrem efeitos visíveis na memória e no comportamento.

A doença começa décadas antes dos primeiros sintomas

Estudos anteriores já afirmaram que a doença começa no cérebro décadas antes dos primeiros sintomas.

Portanto, se fosse possível identificar a doença nos estágios iniciais, os pacientes poderiam começar o tratamento e levar um estilo de vida mais saudável, evitando fatores de risco controláveis, como pressão alta e colesterol alto.

Quais sinais de Alzheimer aparecem nos olhos?

Um estudo, publicado na revista Acta Neuropathologica, analisou tecidos doados da retina e do cérebro de 86 pessoas com diferentes graus de declínio mental.

As mudanças encontradas na retina se relacionam com mudanças em partes específicas do cérebro, que são responsáveis pela memória, navegação e percepção do tempo.

Os pesquisadores descobriram aumentos significativos no beta-amilóide, um marcador importante da doença, em pessoas com Alzheimer e declínio cognitivo precoce.

Além disso, as células microgliais diminuíram 80% naqueles com problemas cognitivos. Essas células são responsáveis por reparar e manter outras células, incluindo a eliminação de beta-amilóide do cérebro e da retina.

A análise também encontrou marcadores de inflamação, que podem ser outro importante indicativo da progressão da doença. Eles foram encontrados na periferia da retina, assim como atrofia do tecido, que foram as alterações mais predicativas do estado cognitivo do paciente.

Futuro da descoberta

Essas descobertas podem levar ao diagnóstico da doença de Alzheimer em estágios mais iniciais, fazendo com que o tratamento não seja invasivo e possibilitando acompanhamento contínuo da progressão da doença.

Embora ainda haja muito a ser descoberto, a relação entre a saúde dos olhos e o estado cognitivo pode oferecer uma nova janela para compreender e diagnosticar os sinais iniciais de doenças cognitivas, como o Alzheimer.


Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Últimas Notícias

Veja Mais

Envie Sua Notícia

Envie pelo site

Envie pelo Whatsapp

Jornal Correio MS © 2021 Todos os direitos reservados.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO, transmissão e redistribuição sem autorização expressa.

Site desenvolvido por: